Viagra, Cialis e Levitra são medicamentos de referência em matéria de disfunção erétil.

Durante os últimos 20 anos, tratamentos para a impotência não foram particularmente desenvolvidos. A disfunção erétil não é mais um tema tabu e os homens dispõem hoje em dia de soluções médicas eficazes para combater os problemas de ereção.

Em razão da oferta consideravelmente diversificada, o número de soluções disponíveis para impotência não para de crescer. Por este motivo pode ser complicado fazer uma boa escolha ao comprar pela primeira vez um medicamento para disfunção erétil.

Embora os laboratórios farmacêuticos desenvolvam várias formas de medicamentos para a impotência, os comprimidos continuam a ser a escolha preferencial de um grande número de pacientes.

Todos os quatro medicamentos têm o mesmo modo de ação, pois seus respectivos componentes ativos Sildenafila, Tadalafila e Vardenafila pertencem ao mesmo grupo de substâncias químicas.

Muitos homens perguntam frequentemente aos seus médicos qual o melhor tratamento, qual deles escolher. Infelizmente não existe nenhuma resposta simples, alguns homens irão achar que uma pílula funciona melhor que a outra.

Assim, seu modo de ação consiste em aumentar o fluxo sanguíneo no pênis para permitir que o homem tenha uma ereção, quando é estimulado sexualmente.

No entanto, estes três tratamentos apresentam diferentes propriedades, tornando-os mais ou menos adequados, de acordo com o indivíduo e seu contexto. Quais são as diferenças entre os três tratamentos?

Mecanismos de ação

Viagra, Cialis e Levitra pertencem à classe de medicamentos chamados ‘inibidores da Fosfodiesterase 5 » (ou « inibidor PDE-5 ». Eles atuam bloqueando a enzima PDE-5 no organismo, geralmente rejeitada imediatamente após o ato sexual para evitar a firmeza do pênis. Graças ao Viagra, Cialis e Levitra, os músculos do pênis permanecem relaxados e aptos a se encher de sangue, o que provoca uma ereção mais firme e mais longa, permitindo que um homem que sofre de disfunção erétil obtenha uma relação sexual satisfatória.

Características

Para os três tratamentos são necessárias prescrições e estão disponíveis em diferentes doses.

No entanto, existem diferenças sutis quanto à sua duração de funcionamento e sua rapidez de ação.

viagraViagra

O Viagra é o mais conhecido de todos os tratamentos para a disfunção erétil, foi criado há 15 anos e é famoso em todo o mundo. Desenvolvido pelos laboratórios Pfizer, a empresa foi até 2013, a única a poder vender o medicamento, a molécula ativa Sildenafila.  Quando a patente da Pfizer expirou, outras empresas foram então autorizadas a vender Viagra genérico. Viagra existe unicamente como um comprimido clássico. Os efeitos se manifestam entre 30 e 60 minutos após a ingestão do comprimido e dura no máximo 4 horas. Outros medicamentos para impotência agem mais rápido e produzem seus efeitos durante 5 horas ou até mesmo 36 horas (Cialis).

cialisCialis

O Cialis está disponível sob forma de pílula diária para ingestão durante ou fora das refeições, 30 a 60 minutos antes de relações sexuais previstas. O Cialis também está disponível com uma dose de 24 horas, para ingestão uma vez por dia, com ou sem refeição. A principal vantagem em relação aos seus concorrentes é o fato que em dose de 10 ou 20 mg, seus efeitos duram até 36 horas, é por isso que é chamado de pílula do fim de semana. A eficácia do tratamento não é influenciada pelo que você come, se você está com fome ou satisfeito, funcionará da mesma forma. Cialis diário deve ser ingerido uma vez por dia, sempre no mesmo horário. O inconveniente deste tratamento pode ser sua dose diária. No entanto, a vantagem é que os efeitos do Cialis são contínuos, 24/24 horas. Isto não significa que você terá uma ereção constante, mas que o medicamento produzirá seus efeitos uma vez que você esteja sexualmente estimulado. Cialis proporciona uma certa espontaneidade e permite que você tenha relações sexuais a qualquer momento.

levitraLevitra

O Levitra tem uma duração um pouco maior que o Viagra. Ambos fazem efeito em 30 minutos em média. Com o Levitra, os efeitos duram em média 5 horas, enquanto que com o Viagra, os efeitos têm uma duração aproximada de 4 horas. Por outro lado, é preferível tomar Levitra e Viagra de estômago vazio, uma vez por dia, 30 a 60 minutos antes das relações sexuais. Uma refeição copiosa pode alterar a eficácia dos 2 medicamentos. A principal vantagem do Levitra em comparação aos seus concorrentes é que este medicamento está disponível sob a forma orodispersível. Este tipo de comprimido dissolve-se discretamente na língua, sem água. Esta solução é conveniente para homens que desejam uma certa discrição e que não querem interromper seu impulso. Os efeitos colaterais mais comuns são dores de cabeça, indigestão, congestão ou corrimento nasal, tonturas e vermelhidão.

spedraSpedra

Se fala muito pouco na mídia, e ainda não é muito conhecido, mas acaba de chegar no mercado, em 2014, o Spedra que se posiciona atualmente como uma perfeita alternativa aos outros medicamentos. A grande força está no seu período de ação, enquanto é necessário esperar em média uma hora e meia para sentir os primeiros efeitos do Viagra, Levitra e Cialis, com o Spedra é necessário esperar somente 15 minutos. Se você não é muito organizado ou se é muito ocupado, Spedra é provavelmente o mais adequado para você.

Estes tratamentos não são afrodisíacos, você necessita estar sexualmente estimulado para obter uma ereção

Efeitos colaterais

Os efeitos indesejáveis ligados aos tratamentos são pouco frequentes, mas também não devem ser negligenciados. Estes efeitos colaterais incluem:

  • Dores de cabeça
  • Distúrbios digestivos
  • Vermelhidão (Levitra, Viagra)
  • Tonturas (Levitra, Viagra)
  • Ondas de calor (Cialis)
  • Náuseas (Levitra, Viagra)
  • Distúrbios visuais (Viagra)

Resultados

Os quatro medicamentos dão bons resultados em geral. No entanto, é necessário algumas vezes ter paciência para constatar sua eficácia, estes medicamentos não funcionam sempre na primeira tentativa.

Se um medicamento não funciona, ou provoca efeitos colaterais, converse com seu médico. Você poderia tentar outra alternativa ou modificar a dose prescrita. Informe o seu médico em caso de superdosagem, de ingestão eventual de outros medicamentos e de toda outra informação em relação ao seu estado de saúde.

Página revista em: 6 Outubro 2016 por Dr. Ricardo Hernández, Médico por 16 anos