DST

DSTTratamentos contra DSTs (doenças sexualmente transmissíveis)

Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs ou ainda DSTs, embora essa terminologia esteja obsoleta) são doenças que são transmitidas entre as pessoas durante a relação sexual.

Fala-se de infecção, pois o indivíduo é portador de bactérias, micróbios ou vírus, sem necessariamente desenvolver a doença e infecções no plural, porque há muitos tipos e cuja sua gravidade varia.

O site fornece uma atualização sobre os diferentes tipos de infecções sexualmente transmissíveis, sintomas e tratamentos disponíveis.

Entendendo as doenças sexualmente transmissíveis (DST)

Dados da Organização Mundial da Saúde são impressionantes. Todos os dias, mais de um milhão de pessoas contraem uma IST, das quais clamídia, gonorreia, sífilis ou tricomoníase, afetam 357 milhões de pessoas anualmente.

As consequências podem ser graves, por exemplo o HPV causa 266.000 mortes por câncer de útero, enquanto clamídia e gonorreia, são as mais susceptíveis de provocar esterilidade. Quanto ao SIDA, a cada dia ele mata, tanto quanto infecta cerca de 6.000 pessoas. Finalmente, algumas ISTs são transmitidas ao feto, como a sífilis, causando anomalias congênitas ou morte neonatal.

Os sintomas variam muito de uma infecção para outra, mas têm uma base comum. Se você tiver febre, dor no baixo ventre, e detectar quaisquer fenômenos anormais em seus órgãos genitais, um risco de ter uma infecção é provável.

Os fenômenos são:

  • Corrimento vaginal ou do pênis,
  • Vermelhidão na genitália
  • Prurido, erupções cutâneas
  • Uma sensação de ardor ao urinar

Se você tiver relações sexuais e sentir dores, é também um sinal de contração de uma infecção sexualmente transmissível. Tenha cuidado, pois muitas outras infecções não causam sintomas e podem ser detectadas apenas quando o usuário chega em um estágio grave. Por isso, é importante fazer exames depois de ter comportamentos de risco, ou apenas realizar exames de controle. Estas também são uma das principais causas de transmissões de IST: portadores saudáveis, que não desenvolvem sintomas e não praticam testes, irão transmitir a infecção a outras pessoas que desenvolverão a doença.

Quais são as diferentes DSTs: Lista completa.

Classificação segundo origem, causadas por bactérias, fungos ou leveduras, protozoários ou vírus.

DSTs transmitidas por bactérias

Gonorreia, ou blenorragia ocorre em seres humanos pela secreção de pus a partir do pênis e ardor ao urinar. Nas mulheres, é assintomático, por isso, o risco de transmissão é mais elevada nas mesmas. O período de incubação é de 24 horas a 15 dias. Os tratamentos existentes são muito eficazes, mas, se a infecção não for tratada, pode causar infertilidade irreversível.

A clamídia é uma as infecções mais comuns, especialmente entre os jovens, especialmente porque o período de incubação é muito longo (mais de 15 dias) e sinais clínicos aparentemente menores (corrimento branco em mulheres, leve coceira e ardor na homem). No entanto, é devastador na fertilidade das mulheres, se não tratada. O tratamento da infecção por clamídia com antibióticos é muito eficaz e rápido.

Também causada por clamídia, a doença de Nicolas-Favre ou linfogranuloma venéreo, considerada rara na Europa e na Américas, mas endêmica em regiões tropicais da África e Ásia.

Infecções por micoplasma são outras infecções urogenitais, a primeira das quais é a uretrite. Os sintomas são corrimento uretral, inflamação da uretra ou dificuldade ao urinar (disúria).

Atenção, algumas ISTs se transmitem também pela boca

A sífilis é uma infecção de transmissão sexual e direta, porque ela se dá através da presença de lesões genitais ou extragenitais. Esta doença também pode se esconder facilmente, pois seus períodos de incubação são muito longos, e evolui com o tempo, com 3 fases de desenvolvimento que podem fazer crer em cura ou desaparecimento da bactéria.

  1. A primeira etapa é o aparecimento de um cancro, que ocorre depois de 3 semanas a 3 meses de incubação, e manifesta-se pelo aparecimento de uma ferida vermelha e profunda nas áreas genital, anal ou bucal, e finalmente desaparece.
  2. A segunda etapa inicia-se com um período de incubação de 3 a 6 meses, que termina com a ocorrência de manchas rosas (Roséola), no tórax e membros. Estes sintomas são acompanhados por náuseas e dores de cabeça, dores no corpo e fadiga extrema, e de mucosa bucal contagiosa. Mais uma vez, se nada for feito, a roséola, eventualmente, desaparece, e a 3ª etapa do desenvolvimento aparece depois de uma interrupção de 3 a 10 anos.

3.Esta é a sífilis neurológica, resultando em problemas cardíacos, distúrbios de personalidade (distúrbios de neurologia, paralisia), e destruição dos tecidos dos órgãos. A sífilis conduz, assim, ao risco de vida, enquanto que o tratamento é eficaz e rápido quando feito no estágio 1 da doença. Além disso, ele se espalha muito facilmente para o filho durante a gravidez, por isso é importante procurar tratamento e seguir corretamente.

O cancro mole é uma infecção sexualmente transmissível, mais rara (mais comum em países tropicais e subtropicais), mas que cria um terreno fértil para o surgimento de outras ISTs, muitas vezes é associado ao aparecimento de outras doenças sexualmente transmissíveis. Ela se manifesta pelo aparecimento de pústulas contendo pus, evoluindo para feridas e causa coceira. Uma coloração acinzentada da pele deve alertar que o indivíduo possui. Os gânglios linfáticos na virilha aparecem 2-3 semanas mais tarde e se transformam em abcessos. A doença é grave quando evolui para gangrena do pênis e exige amputação dos órgãos genitais.

DSTs por fungos unicelulares e protozoários

Candidíase do trato geniturinário são infecções ocasionadas por fungos ou leveduras. São sexualmente transmissíveis em homens, mas também em mulheres que podem também contraí-la no final de um contraceptivo ou tratamento com antibióticos, utilizando roupas sujas e falta de higiene. Os sinais clínicos são o aparecimento após um período de incubação de 1 dia a 1 mês de corrimento esbranquiçado, coceira e queimação localizadas na vulva, em mulheres, e nos homens na glande. Trata-se candidíase cutânea (creme, gel) inserção de dispositivo vaginal.

Os Protozoários (tricomoníase) é muito parecido com a candidíase por seus sinais clínicos, em mulheres, (corrimento amarelado e com mau cheiro, ardor e prurido), enquanto nos homens são muitas vezes inexistentes, no período de incubação de 2 a 20 dias.

DSTs virais

Os condilomas venéreos são causados pelo papiloma vírus humano e podem progredir para um câncer do colo do útero em mulheres. O melhor tratamento que existe até hoje é a vacina. O condiloma se manifesta clinicamente por verrugas, muitas vezes, imperceptíveis e discretas sobre os órgãos genitais, o pênis em homens, vulva e colo do útero em mulheres, depois de um período de incubação variável, de 1 a 10 meses.

A Herpes genital, que diz respeito a 10 a 15% das infecções sexualmente transmissíveis (ou DSTs) e suas complicações são raras (apenas em caso de gravidez), o seu maior problema consiste na capacidade de favorecer outras ISTs e ser persistente. De fato, não há nenhum tratamento para esta doença viral, que se manifesta como pequenas e dolorosas bolhas na pele na região genital (pênis, vagina e vulva) de 2 a 20 dias após a relação sexual. Esta DST torna-se crônica em 40% dos casos, e promove crises na vida dos portadores de herpes que são acompanhadas por febre, fadiga intensa, e um aumento nos gânglios linfáticos. Durante as crises, antivirais existentes sob forma de creme e de comprimidos tem o objetivo de atenuar sua frequência, duração e intensidade.

A mononucleose infecciosa é transmitida por contato oral, principalmente, causando fadiga extrema, febre, faringite, dor de garganta e glândulas inchadas. Estes sintomas aparecem depois de um período médio de incubação de 6 semanas, e de acordo com as organizações, a doença pode se instalar, seja temporariamente e rapidamente, seja mais permanentemente e intensamente, exigindo que a pessoa cesse suas atividades por vários meses. Não há tratamento específico, os antibióticos não são eficazes e só descanso prolongado é recomendado.

A hepatite B é transmitida não somente por contato sexual, mas também pelo sangue, saliva, sêmen e secreções vaginais. Além disso, é transmitida para a criança durante a gravidez. Os sinais clínicos aparecem após incubação de 1 a 6 meses, uma fraqueza é acompanhada por febre e dores musculares, além de descoloração das fezes e icterícia. Se não existem tratamentos e apenas um repouso é recomendado, existe uma vacina eficaz, no entanto, se for realizada de modo preventivo.

A AIDS é a mais conhecida e a mais recente das infecções sexualmente transmissíveis (comumente, fala-se do SIDA como uma doença sexualmente transmissível). Ela se caracteriza como o vírus da imunodeficiência humana (HIV), o mais letal até a data. É transmitida através do sexo, esperma, e pelo contato com sangue infectado, também de mãe para filho (durante a gravidez ou através do leite materno).

  1. Em muitos casos, a AIDS aparece pela primeira vez como assintomática e passa despercebida então, tornando ainda mais devastadora. Portanto, não confiar nos sintomas, mas fazer exames após o contato de risco e 3 meses para confirmar a sua confiabilidade.
  2. O vírus ataca as células brancas do sangue, que faz um papel chave no sistema imune, o corpo torna-se incapaz de se defender contra a infecção.
  3. Ele também destrói as células nervosas e musculares, e sua força reside na sua capacidade de replicação rápida e o fato de que os anticorpos do corpo humano não reconhecem este vírus. A terapia tripla com antirretrovirais existentes, tem o objetivo de retardar a progressão da doença que caminha para a AIDS, o último estágio, que caracteriza o colapso de todo o sistema imunológico e a ocorrência de doenças oportunistas.

As relações sexuais, são todas as transportadoras de risco de infecção, seja genital ou oral-genital. Uma vez que há o contato e troca de fluidos genitais há um risco de transmissão. É por isso que devemos estar bem protegidos e dar uma resposta adequada em caso de contágio.

Prevenção

A melhor prevenção é o preservativo. Feminino ou masculino, eles continuam a ser a proteção mais eficaz até o momento. Mesmo que o risco de contrair uma infecção sexualmente transmissível durante o sexo oral seja menor, o risco existe, e usar um preservativo para o sexo oral é útil.

Deve-se adotar igualmente os reflexos de autoproteção, porque o seu parceiro pode não perceber o risco que incorre para si mesmo e para os outros, como a sua omissão pode causar danos. Evitar o contato se você encontrar lesões nos órgãos genitais de seu parceiro, erupção cutânea ou vermelhidão anormal em seu sexo.

Além disso, é importante sistematizar as avaliações e exames de triagem, e para as mulheres, as visitas ao ginecologista e prática de exames Papanicolau, são boas maneiras de identificar infecções e tratá-las mais cedo. Estima-se que 30.000 pessoas na Portugal não sabem que são portadoras do vírus da Aids.

O tratamento, é também uma maneira de evitar a propagação e mesmo depois da remissão, você permanece particularmente sujeito/a a contrair outra DST, portanto, fique atento. Também é necessário prevenir seu ou seus parceiros para que eles também possam se proteger e reduzir o risco de desenvolver a infecção. A existência de vacinas permitem enfim lutar eficazmente contra a propagação e contração de certos vírus infecciosos (HPV e hepatite B).

Fontes
  • O que são DST: giv.org.br
  • DSTS
    As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são aquelas que podem ser adquiridas durante o contato sexual: gineco.com.br
  • Infeções Sexualmente Transmissíveis: apf.pt
  • Protecção Contra as IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis): positivo.org.pt

Lost Password